Proteção Social Especial

A invisibilidade das minorias no Brasil e sua relação com os serviços de Proteção Social para pessoas com deficiência e pessoas idosas no SUAS

A invisibilidade das minorias no Brasil e sua relação com os serviços de Proteção Social para pessoas com deficiência e pessoas idosas no SUAS

O Brasil caracteriza-se por sua diversidade étnica e cultural, pelas diferenças regionais e acentuada desigualdade social. Tais características são determinadas pelo processo contínuo de concentração de riqueza e renda. O processo histórico de exclusão social brasileiro traz no seu contexto diversas contradições políticas, sociais e econômicas, o que desfavorece o desenvolvimento equânime da sociedade. Inserida nesse processo temos a condição de invisibilidade imposta historicamente às Pessoas com Deficiência e Pessoas Idosas, devido aos padrões socioeconômicos e culturais desta lógica mercantil de sociabilidade capitalista. PESSOAS COMContinue lendo

A Proteção Social Especial e as situações de violência e violação de direitos

A Proteção Social Especial e as situações de violência e violação de direitos

Por Douglas Galvão Ainda é possível encontrar pessoas que por conta do modo de funcionamento de nossa sociedade, não possuem plena consciência de seus direitos. Não se percebem enquanto vítimas das violências e/ou violações de direitos às quais estão submetidas. Isso   gera dificuldades quando se trata de fortalecer a proteção social das famílias e indivíduos. Assim, torna-se essencial ampliarmos nossa noção de direitos e de cidadania, para avançarmos na defesa, proteção e promoção dos direitos da população. Para o enfrentamento desse cenário de desproteções emContinue lendo

A essencialidade do Plano Individual de Atendimento (PIA) para garantia da proteção social no SUAS.

A essencialidade do Plano Individual de Atendimento (PIA) para garantia da proteção social no SUAS.

A consolidação do Sistema Único de Assistência Social (SUAS) no Brasil propõe o reconhecimento das situações de vulnerabilidade e risco presentes no cotidiano das famílias e indivíduos. A partir desse reconhecimento devem ser traçadas formas de atendimento e/ou acompanhamento para seu enfrentamento, superação e garantia de Proteção Social. Diante disso, por mais que no formato atual de organização da Política de Assistência Social a ação deva estar centrada na família e não limitada a atender demandas pontuais, situações específicas a condição de exposição de indivíduos a riscosContinue lendo

O QUE PRECISO SABER PARA INICIAR MINHA ATUAÇÃO NO SUAS COM A PESSOA IDOSA?

O QUE PRECISO SABER PARA INICIAR MINHA ATUAÇÃO NO SUAS COM A PESSOA IDOSA?

Por Maria Iannarelli O Brasil, pelas suas características regionais e a diversidade de condições sociais e econômicas, apresenta várias formas de envelhecimento.  Porém, o que é inegável é que a população está envelhecendo de forma acelerada. O Censo de 2010, analisado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE, aponta para uma alteração na pirâmide etária, com redução nas faixas etárias menores e aumento das faixas etárias acima de 60 anos de idade. Nesta avaliação, o Censo de 2010 foi considerado como a RevoluçãoContinue lendo

As potencialidades do Acompanhamento Familiar na Assistência: porquê fazer um Plano de Acompanhamento.

As potencialidades do Acompanhamento Familiar na Assistência: porquê fazer um Plano de Acompanhamento.

A política de assistência social, desde sua implementação e estruturação, tem como diretriz a matriacilidade familiar. Essa diretriz considera família como “sujeito de direitos”, espaço privilegiado de proteção primária, foco para as intervenções, programas e projetos a serem realizados pela assistência. Dessa forma, a família, compreendida como pessoas unidas por laços de consanguinidade e/ou afetividade, afinidade e solidariedade; deve ter sua proteção garantida pelo Estado, como reconhecido na Constituição Federal de 1988. Na assistência social, as famílias usuárias são heterogêneas e apresentam não só fragilidadesContinue lendo